HISTÓRIA DE DOUGLAS CORDEIRO COM A ILHA

Douglas David Alves Cordeiro, filho caçula do Seu Dodó, nasceu em 1979 na cidade de Recife e sua história com a ilha começa no final da década de 80, mais precisamente em 1987, quando seu pai recebe o convite do então Governador do Território Federal de Fernando de Noronha (TFFN) para assumir o cargo de secretário e vice-governador. Prestes a completar 9 anos de idade, Douglas se muda e é matriculado na Escola Arquipélago Fernando de Noronha, onde começa seu vínculo de convívio e amor pela ilha. Acompanhou junto com seu pai e nativos, a transição de Território Federal para Distrito Estadual de Pernambuco, momento histórico que ocorreu com o estabelecimento da Constituição de 1988 e que concedeu o controle administrativo da ilha ao Estado.

Em 1991, aos 12 anos de idade, Douglas conhece o então professor de Educação Física da Escola, Chico, que ensinava várias modalidades esportivas, mas que não escondia seu amor pelo voleibol. Seguindo a paixão do seu professor, começa a praticar a modalidade na quadra da Escola e da Vila dos Remédios, e seu sonho de ser um jogador profissional de voleibol surge em meio a todas as dificuldades e improbabilidades inerentes àquele pedaço de terra no meio do oceano atlântico.  Em 1992 o Brasil conquista seu primeiro título olímpico no voleibol e ele, como o Brasil inteiro, vibra e comemora bastante a inédita medalha de ouro. Agora seu sonho aumenta em seu coração e pensa em um dia poder jogar junto com Maurício, Carlão, Giovanni, Tande…. Aos 15 anos de idade deixa a ilha para ingressar no ensino médio em Recife. Na sua bagagem carrega o grande sonho de um dia poder vestir a camisa de um clube profissional e conquistar muitos títulos. Aos 16 anos de idade é convocado para seleção pernambucana de vôlei, onde começa a disputar campeonatos nacionais representando seu Estado.  Na disputa do campeonato brasileiro infanto-juvenil em 1996, na cidade de Maceió, recebe a notícia que mudaria para sempre sua história profissional com o vôlei. Saía a convocação para a seleção sub 18 e seu nome estava na lista. A partir daí seu rumo profissional já estava traçado. Douglas conclui o Ensino Médio e segue sua carreira de atleta profissional, vestindo a camisa da seleção brasileira sub 18 e, logo depois, a sub 20. O primeiro clube que vestiu a camisa foi a do Fluminense, disputando sua primeira Superliga, em 1997. E assim seguiu sua carreira pelos clubes: Minas Tênis Clube, On Line Novo Hamburgo, Banespa, Ulbra e encerrando sua carreira no clube multicampeão Sada Cruzeiro.

Entre seus principais títulos estão o Hexacampeonato da Superliga; o Tricampeonato da Copa do Brasil; o Tetracampeonato Sulamericano e o Bicampeonato Mundial (clubes e seleção militar), além de inúmeros títulos estaduais.

 Em 2015, depois da conquista do Hexacampeonato da Superliga e aos 36 anos de idade, decide então parar de jogar vôlei e retorna à Noronha para contar suas histórias de conquistas e glórias vividas dentro das quadras. Graduando em Administração, agora é o Diretor da Pousada Seu Dodó, empreendimento que investiu durante a carreira, juntamente com seu pai e irmão. Casado com uma mineira que conheceu quando vestia a camisa da seleção brasileira sub 20 e a do Minas Tênis Clube, tem dois filhos que já praticam voleibol na escolinha do Cruzeiro. Como forma de reconhecimento por toda a história de sucesso na carreira, recebeu em 2012, do Conselho Distrital de Fernando de Noronha o título de Cidadão Noronhense. Em 2016 foi convidado pela Administração do Distrito para ser um dos condutores da tocha olímpica na Ilha.

Em todos os pódios que subiu, Douglas nunca se esqueceu dos primeiros passos que deu no voleibol e dos conselhos de seu professor Chico, hoje falecido, na ilha de Fernando de Noronha. Se orgulha imensamente de ter representado a comunidade Noronhense com a bandeira de Noronha em volta do pescoço ao receber suas medalhas nacionais e internacionais.